Jord Guedes faz show gratuito no Teatro Carlos Câmara

 

_MG_9761

Quem transita ou trabalha pelo Centro de Fortaleza vai ter uma boa opção de programa cultural após o expediente desta quinta-feira (26). O Teatro Carlos Câmara, que fica na rua Senador Pompeu, próximo à Praça da Estação, apresenta show gratuito da cantora Jord Guedes, a partir das 19h. O espetáculo ‘Traços’ é livre para todos os públicos e tem repertório que transita entre o samba e o maracatu, passando por ritmos como flamenco, fox, blues e pop.

Como quem brinca com tinta, misturando matizes, em Traços Jord Guedes canta a água, “combustível do sertão”, a mulher, em diversos aspectos, e o Benfica, com seus encontros, poemas, madrugadas e mágicas vias. As canções fazem parte do disco autoral lançado por ela em setembro com 11 faixas. O CD está disponível à venda na Livraria Cultura, custando R$ 20, e também pode ser ouvido gratuitamente no site da cantora: www.jordguedes.com.br .

“O trabalho tem nuances diversas”, explica Jord Guedes. “Combustí vel do Sertão, por exemplo, é um maracatu-baião dançante, que propõe literalmente uma viagem.” Essa faixa, que abre o disco, tem participação especial de Waldonys no acordeão. Traços, música título do CD, também evoca a deriva. “É um flamenco-guarânia, que fala de uma mulher cosmopolita, viajando entre a arte e a literatura, em sua latinidade.”

Com produção musical de Lu de Sosa e produção executiva de Joanice Sampaio, a gravação de Traços teve apoio da Secretaria Municipal de Cultura de Fortaleza e da Secretaria de Cultura do Governo do Estado do Ceará por meio de editais.

+ SOBRE A ARTISTA

Jord Guedes é natural do Crato e vive em Fortaleza desde os anos 90. Estudou música no Curso de Extensão da Universidade Federal do Ceará (UFC) e fez parte do Coral do DCE na mesma universidade. É mestre em História pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), com pesquisa sobre música cearense, o que resultou na montagem de um show sobre os 40 anos do Pessoal do Ceará.

Desde 2005, a cantora participa de importantes eventos, como o Festival Cariri da Canção (CE), Mostra SESC Cariri de Culturas (CE), Festival de Inverno da Meruoca (CE), Festival de Inverno de Garanhuns (PE), além de temporadas em teatros de Fortaleza.

SERVIÇO
JORD GUEDES FAZ SHOW GRATUITO NO TEATRO CARLOS CÂMARA
QUINTA-FEIRA (26/11), 19H
ENREDEÇO: RUA SENADOR POMPEU, 454 – CENTRO

Jord Guedes apresenta releituras de clássicos cearenses no Sesc

Publicado originalmente no site da Rádio Universitária

A cantora Jord Guedes apresenta hoje (15), às 20 horas, no Sesc Emiliano Queiroz, o show especial “Terral – A Música dos Anos 70 em Blues Rock”. Acompanhada de Abraham Paiva, Carlinhos Perdigão e Rafael Sousa Lima, Jord canta releituras de canções consagradas de artistas cearenses de renome, como Ednardo, Fagner e Belchior.

O projeto foi criado através de uma parceria entre a cantora e o músico Carlinhos Perdigão, que surgiu a partir da pesquisa que Jord desenvolveu durante o mestrado em História pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), na qual estudou a produção musical cearense dos anos de 1970.

Jord Guedes e seus companheiros já levaram o “Terral – A Música dos Anos 70 em Blues Rock” a vários espaços de Fortaleza, e ele chega no Sesc pelo projeto Quinta Acústica, que pretende trazer ao público apresentações de artistas do cenário musical local. Os ingressos para o show custam R$6,00 a inteira e R$3,00 a meia.

Serviço
Show “Terral – A Música dos Anos 70 em Blues Rock”
Dia 15 de outubro, às 20h
Local: Teatro Sesc Emiliano Queiroz (Av. Duque de Caxias, 1701)
Ingressos: R$6,00 (inteira) e R$3,00 (meia)

O Combustível do Sertão de Jord Guedes

publicado originalmente no blog Sincronicidade 

 

Carroça passa/ Enxada fere o chão/ Jumento e bicicleta/ Marmita bem amarrada/ Menino na beira da estrada/ A lata de querosene/ Que agora leva água/ Combustível do sertão

Jord Guedes – Combustível do sertão

[CD: Traços, de Jord Guedes. Faixa 1: Combustível do sertão - Letra e música de Jord Guedes]

Tarde de sábado, seguia dirigindo meu carro pela Treze de maio quando resolvi ligar o rádio. Calhou de estar sintonizado na FM Universitária, de onde ecoavam versos de uma canção que dizia: “Olha essa moça passando na rua/ Chegando do meio do mundo/ Gira, gira, girou/ Quem por aqui passou // Ah! Que essa moça é assim/ Sempre chegando/ Sempre trazendo no olhar/ Traços de algum lugar” (Traços).

A suavidade e delicadeza da voz despertou em mim a curiosidade de saber quem era aquela moça que, em melodiosa canção, trazia não somente no olhar, mas também na voz, “traços de algum lugar”. Quem seria a moça? Que traços traria? E de que lugar?

Não tardei a descobrir que a moça gosta de canções, e faz delas uma felicidade: “Pra ser feliz, não precisa muito não/ Só, quem sabe, um cantinho, um violão/ Pra compor uma música para o coração/ Pra compor uma música para o coração” (Pra ser feliz).

Logo mais eu fazia outra descoberta. Além de canções, a moça é também uma apreciadora de livros e da boa literatura: “Livros agora coram ao sol/ A livrar-se do cheiro do tempo/ Miguel de Cervantes, Bocage, Tolstoy/ Enciclopédias quantos volumes/ Capítulos da vida que vai/ Segue o curso/ A vida que vai” (A casa de ontem ).

Descobri, depois, que a moça da canção é formada pelo curso de extensão em Música da Universidade Federal do Ceará-UFC. Cantora e compositora, marca seus passos no universo musical desde 2005, com participação em diversos eventos de música competitivos, dentre os quais o Festival de Inverno da Meruoca, o Festival Cariri da Canção, o Festival de Inverno de Garanhuns e o Festival da Assembleia Legislativa do Ceará.

Constatei, a seguir, que em suas incursões musicais a tal moça já pisou muitos palcos, tendo realizado diversos shows, dentre eles, Samba pra Mário Lago, Maracatus e outros B@tuques, Canto Cear@, Uma Divina Comédia Humana e Traços.

A propósito, os dois últimos veros da canção que deu nome a esse último show, Traços, trazem duas indagações: “Moça, que sonhos sonhou?/ Moça, por que acordou?”

Identificando nesses versos um sutil toque autobiográfico, diria que a moça a quem se dirige a indagação é a própria moça que canta, uma nordestina egressa do sertão caririense que, certa vez, sonhou traçar canções e, misturando sons e ritmos diversos como samba, pop, baião e maracatu, um dia qualquer no tempo acordou para fazer desse sonho o combustível com o qual vai tecendo melodias e, com isso, reencantando esse nosso mundo tão desencantado.

É assim o CD Traços, que assinala a estreia autoral de Jord Guedes no cenário musical brasileiro: um toque suave de musicalidade a nos lembrar que “A gente às vezes se sente tão pequeno/ Um grão de areia no meio da imensidão/ Mas se a felicidade de um suspiro vale a pena/ Sentimos que a vida pode vir a ser poema” (Pra ser feliz).

Acesse o link abaixo e ouça/veja “Combustível do Sertão”, letra, música e interpretação de Jord Guedes:

Next Posts